quarta-feira, 25 de abril de 2012

O Indivíduo e seus semelhantes


Por nós próprios trilhamos os quilómetros de nosso caminho, mas não estamos sós no Caminho: há rumos que se entrecruzam, aromas que se desfrutam, cantares que se evocam, rostos que se saúdam e inolvidáveis olhares que se amam. Contudo, caminhamos sós; pois é dessa forma em particular que cada Alma se une a si mesma, até retornar ao infindo mar de onde ela, exígua gota, se escapuliu. Cada indivíduo vale por si e possui um rumo próprio. Mesmo que desprovido estivesse dos adereços de um ego de volúpia e soberba – ambições, projectos, desejos –, não deixaria de possuir um rumo. A única diferença entre ambos reside numa postura específica: navegar ao sabor das vagas sucessórias ou remar pela sua turbulência. Cada Ser, assim, valendo-se dos métodos que lhe sejam mais úteis a seu crescimento e desenvoltura, representa um peculiar universo, um pequeno mar contido em um outro, imensamente maior (como antes referi).

Os raios que provêem do sol não se despojam daquela mesma luz que reside no núcleo de tal estrela. Em todo o processo de despertar consciencioso, tal aspecto revela a importância de seu entendimento. De facto, todos nós partilhamos algo com os demais que nos circundam; existimos por nós próprios, mas não estamos sós – todos possuímos nossas marcas, alegrias, dores, histórias, valência e vicissitudes; algo que só servirá para nos aproximar, fomentando nossas qualidades humanísticas. E assim é porque todos nós, sem excepção, decidimos pegar em nosso cajado e empreender uma (nova) viagem pelas planícies de um mundo de experiência – o nosso palco de ensino e aprendizagem. Por isso, sabemos que cada liberdade é eterna, embora encontre o seu término nas fronteiras de nosso vizinho; sabemos que a aceitação, a tolerância e o respeito por nosso semelhante são cruciais à consolidação do dotar de notáveis capacidades sociais (no fundo, aquelas que deverão povoar as mentes que, por sua vez, povoarão novas e evoluídas sociedades). Deste modo, estaremos a contribuir para o fomentar de uma co-existência pacífica, embora não devamos ser inocentes ao ponto de ignorar o facto de que um barco, para navegar, não só necessita de vento e de boa maré, mas também da vontade de seu comandante em navegar.

Todas estas e muitas outras essências pairam pelo olhar que se ergue e perscruta para além da penumbra. De entre elas, o saber de que não possuímos o direito de intervir em algo que não é nossa pertença. Aliás, essa é mais uma ilusão fermentada nas barricas do ego: o apego a algo que não nos pertence, embora intimamente nos consideremos seus proprietários. De forma verdadeira, em todos os aspectos, apenas somos responsáveis por nós próprios – somos o pequeno universo que regemos –; o restante trabalho resume-se ao capítulo da orientação. Mas, obstinados, imersos em problemáticas dores e questões, permitimos que se enuble a percepção e invadimos terrenos alheios – essa é a causa da deturpação enganadora. E quantas querelas não já se alimentaram de tais posturas? Vivemos em sociedades de Ter e não de Ser, logo continuamos agarrados a um poder mórbido e à sua necessidade de vitória, de imposição e de esmagamento total. Ao tornarmo-nos conscientes, saberemos que, ao invés de impor a nossos semelhantes os parâmetros e os rumos que julgamos serem certos e a eles adequados, a via de não agressão subsiste em conceder-lhes apoio em suas escolhas de rumo e caminho, mesmo que estas difiram daquelas que para eles havíamos pensado. Repito: cada indivíduo vale por si só; e tal é passível de ser respeitado. É claro que tais actos são, na maioria das ocasiões, feitos ou impostos em nome do maior dos ideias ou da melhor das intenções. Mas, uma vez mais, sobressai o seguinte: gostaríamos que terceiros adoptassem o mesmo comportamento que adoptamos perante os demais? É claro que podemos oferecer, a esses companheiros de caminho que tanto amamos, uma válida via, expor vantagens, mas toda a final decisão caberá ao interessado – e é isso que deveremos aceitar. Afinal, se a andorinha adoptasse o comportamento do rouxinol, ela por certo mudaria o seu canto e as suas cores, passando, por fim, a ser um mero rouxinol.

Nas veias deste dizer corre, pulsa e se expressa um amor, livre de condição, que nada pede nem nada exige, pois é veramente incondicional – um amor que está em nós e cuja oportunidade de aplicação reside naquilo que já foi dito. Cuidamos e amamos os que nos rodeiam através de nossa força, cooperação e carinho, simples e espontâneo, e não pela imposição de ideias que, no fundo, só a nós nos servem (pois por nós foram formuladas). Fluamos nós pela Vida e deixemos que os outros façam o mesmo! Confiando, por certo chegarão ao porto onde mais são esperados. E, sempre que a situação o exigir, teremos nossa fortaleza para os abrigar e nossos amplos braços livres para os amparar.


Pedro Belo Clara.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.