quinta-feira, 28 de abril de 2016

MEDITAÇÕES XXXIV



Descobre o pássaro
que há em ti.

Depois, encontra um ramo
onde poisar e com o vento
partilhar a tua trova.

Todo o pássaro sabe ser
uma espécie de flor alada:
no auge da estação,
oferece às aragens, aos frutos,
às pedras, aos rostos,
o aroma da sua rima mais pura.

Simplesmente canta:
canta, canta, canta.
E a existência toda, por tua batuta,
dará os passos que seguem
o ritmo duma dança eterna.

Quando o amor vier para ti,
será então como outro pássaro
que a teu lado escolheu poisar,
desejoso por juntar cada nota
do seu canto ao teu.



PBC.






(Fonte: www.pinterest.com)




1 comentário:

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.