quarta-feira, 21 de março de 2012

Ciclos da Existência (e outras particularidades)


Ao longo de diversas etapas percorridas, somos alvos de vários ciclos que se sucedem, momentos onde, se parca for ainda nossa ciência, dispomos sempre da oportunidade de apreender algo ao escutar sábias palavras proferidas por bocas alheias, um algo que nos poderá auxiliar a crescer em virtude e carácter – a mais comum metamorfose de um caminhante. Contudo, é importante entender que tais auxílios não vão além daquilo que eles próprios representam. Todos nos encontramos aqui, neste lugar, a existir por entre as peripécias de uma realidade que nos absorve, cumprindo um papel que há muito escolhemos representar por ser o ideal para o nosso próprio desenvolvimento, o mais acertado para que a lapidação de nós mesmos seja absoluta. Por isso, ao vivermos vidas únicas, compostas por singulares ciclos que a existência atravessará, possuímos igualmente diferentes abordagens e entendimentos sobre o Caminho em si, fruto de nossas peculiares experiências e de seu factor residual – o saber. Tais aspectos moldam-nos, é certo, mas importa entender que a final decisão reside sempre em nós. Se em tal situação nos encontrarmos, convém então colocar pertinentes questões: gostamos daquilo em que nos tornámos? Como poderemos alterar comportamentos que, no fundo, não traduzem as palavras de nossos corações? Mas talvez esse seja um assunto para abordarmos em uma outra oportunidade.

Mesmo que valioso seja entender o saber espremido de dizeres vários, com sua válida partilha de sentimentos, relato de acontecimentos ou experiências idênticas, jamais se deverá descurar o rumo que por nós deve ser delineado e percorrido. Essas ajudas externas são mãos que nos assistem o caminhar, mas só devemos realizar tal acto por nosso próprio pé (sob pena de a suposta “ajuda” ser, no fundo, um factor meramente prejudicial). Afinal, todo o aluno sabe que assistirá ao dia em que irá abandonar seu mestre para seguir seu rumo, aquele que apenas por suas íntimas intenções será revelado. Aprender é crescer, e crescer é aceitar a nossa luz e a nossa sombra, escutá-las e definir futuras passadas (mesmo conhecendo a fonte de surpresas que o Caminho é), sempre com a primordial missão em mente, aquela que todo o caminhante possui, mesmo que não esteja ciente de tal “posse”.

Uma existência é, assim, composta por ciclos vários, ciclos que são estações que atravessam nossos corações e neles plantam a sua mais recôndita essência. Agora, mais do que nunca, evoco a ideia referida algumas linhas acima: deveremos definhar apenas porque as folhas definham nas árvores que se entregam à brisa outonal? Deveremos sucumbir apenas por que tudo sucumbe à gélida neve que cobre o Inverno? Em nós – e em nós somente – habita a escolha a ser assumida, pois tudo se resume à adopção de uma determinada postura perante o evento que temos em mãos. Assim, em cada um dos ciclos de nossas existências reside a oportunidade de granjear um saber mais amplo, uma visão mais profunda sobre a Alma que somos e sobre as que habitam nos demais corpos e de colocar à prova outros saberes e conceitos detidos. Formar-se-á e consolidar-se-á, dessa forma, um carácter, as firmes linhas que percorrem as fronteiras da tal personagem que assumimos e representamos. Vamos, a cada passo, nos libertando de antigas dores (tão antigas quanto o sol e lua!) para sermos tão leves quanto o vento que livre sopra, mas igualmente aptos a novos encontros, novas partilhas, novos motivos de celebração (sem olvidar os que ainda nos assistem!) e, claro, aprendizagens. No fundo, muitos rostos nos irão cativar com suas ternas expressões e sábios dizeres; a cada etapa, deteremos um mestre diferente, até que findo se encontre o ciclo (o mesmo é dizer: até que nos tornemos mestres de nós próprios). E a humildade, que jamais é um sinónimo de subserviência (antes um requisito para percorrer o Caminho Iluminado), revela-se precisamente nesse entendimento e aceitação. Pois um mestre até poderá ser íntegro e digno, seja qual for a sua postura no mundo social, mas certas palavras ele ainda não conseguirá transmitir, apenas a mensagem que se resumiu de sua história. Parece haver algo de indizível aqui, nestas belos planos materiais, algo que nós tentamos encontrar e dizer por nossa boca – algo que, no fundo, também podemos partilhar com o mundo.

Hoje já não somos o que éramos, mas ainda nos encontramos em dista posição em relação àquela que um dia ocuparemos; daí a utilidade de crescermos por nós e de por nossas palavras e actos nos definirmos (o que nunca invalida o efeito das ditas “ajudas externas”). E, assim como nós um dia o fizemos, outros o farão – por si próprios. Então, entenderão e redefinirão esse saber que lhes foi legado, moldado à verdade que eles são. Mas será isso uma deturpação? Apenas se pensarmos em nós como detentores da Verdade Absoluta… Como poderá haver erro? Pois se cada parte encerra a sua verdade e essa mesma partícula é essencial ao revelar da obra maior! Poderá haver desacordo, sim, mas nunca erro (apela-se à nossa capacidade de respeito e de tolerância). Por isso, sei que se atentas estiverem nossas percepções, vislumbraremos então parte do rosto do Todo, aquele que divinamente se constitui pelas pequenas partes que nós somos e ao qual, por fim, retornaremos; ou não fosse esse o motivo para tanto o desejarmos descobrir, abraçar e compreender…


Pedro Belo Clara.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.