terça-feira, 5 de janeiro de 2016

MEDITAÇÕES XXVII



Tornou-se o Homem pedinte
por força dos anseios cultivados.


O anseio é íntimo à humanidade,
mas o seu cultivo deriva
duma ignorância maior.

Sem restrição ou incentivo,
quem aceita compreende
– primeiro passo de libertação.


Mas quem se prostra pedindo
mais pão para os seus desejos,
só adensa a malha da ilusão.

Encarando a existência
e tomando-a do avesso,
na fantasia que alimenta
afasta o brilho primordial.

Pois como pode aquele que pede
conhecer a autêntica gratidão?

Quem pede vive em pobreza,
por mais esmola que peça.

Porém, o olhar atento descortinará:
naquele que mendiga
ocultam-se gestos de imperador.



PBC. 






(Fonte: selfunification.com)



2 comentários:

  1. Apraz-me sabê-lo, meu amigo.
    É um poema, como teve oportunidade de ver, urdido numa linha mais meditativa - como a epígrafe da série tão bem sugere. Trata-se da outra faceta do trabalho poético que habitualmente produzo.
    Um abraço. E muito obrigado pela sua visita.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.