terça-feira, 15 de dezembro de 2015

MEDITAÇÕES XXVI


Sobre a outra margem
toda a boca te poderá falar.

No entanto,
o que na outra margem pulsa
em palavra alguma poderá caber.

Talvez um indício de ponte
te seja murmurado,
mas nenhuma o será
sem que de ti tenha um pouco.

O braço erguido nunca alcança.
Não se alcança o que já existe
no âmago dum ser.

Mas a noite é cheia de mistérios:
o reflexo do luar na folha
deixa adivinhar a posição da lua.



PBC. 






 (fonte: pinterest.com)



Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.