sexta-feira, 20 de março de 2015

MEDITAÇÕES X




Num jardim de estações,
o querer é frágil flor:
o instante que o vê nascer
amortalha o enfermo corpo.

Nenhum sol, nenhuma chuva
alimentarão frutos artificiais.
Mas o espectro de tal espécie
assolará o coração de quem o sonhou.

Que arte se forma de débeis cores?
Que essência se depura de esbatido aroma?
Fosse a querença natural
como a água dum rio
e fertilizaria as sementeiras do mundo.

Porém, na vez de se esvaziar,
enche-se. E a semente, maldita,
moribunda para a eternidade,
envenena a terra que a não esqueceu.





PBC.






(Fonte: luismartinssite.blogspot.com)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.