terça-feira, 22 de maio de 2012

Sobre a Liberdade


Através da leitura de muitas outras publicações anteriores, ficou sublinhado o seguinte facto: a Liberdade, aquela que – a par da Felicidade – muitos de nós procuram trazer até suas existências, reside em nossas escolhas. Sabemos, por isso, que elas poderão ser árduas ou comportar insuportáveis consequências, mas, ainda assim, o opção está sempre em nossas mãos. Esta procura, que em inúmeras ocasiões constitui o mote de uma só vida, poderá demorar-se por toda uma existência, valorizando-a e preenchendo-a com um louvável significado. Contudo, nada existe que não possua o seu término. Aliás, algo terá sempre de cessar para que um outro algo se inicie. Ao entender isto, estaremos, desde já, a autorizar o fluir do Caminho e de seus elementos e ocorrências – ou, fazendo uso de outras palavras, permitir que um livre fluxo corra por nós.  

No entanto, desejamos muitas vezes a Liberdade sem nada fazermos para a experiênciar. E isto porque, em súbitos assaltos de um receio de perda, colamo-nos de uma forma intensa, doentia até, a certos objectos, situações, experiências ou indivíduos. Tememos sempre a mudança, é certo, e o agarrar de algo que nos é familiar concede-nos segurança, um estagnado equilíbrio. Ainda que possa ser o Amor a razão que a eles nos prende, é um facto de que a verdadeira expressão desse sentimento comporta a Liberdade, não o apego ou a manipulação. Contudo, o mundo em que vivemos ainda se rege por antigos padrões e nós, de certa forma, permitimo-nos ser moldados pelos mesmos, muitas vezes até de uma maneira imperceptível e, como tal, inconsciente – o que só ressalva a importância do despertar consciencioso. Por isso, sentimos dor e desolação relativamente a situações diversas, algumas até banais, situações em que, se entendidas fossem sob um aspecto de vista diferente, dar-nos-iam motivos para sorrir ou celebrar em serena alegria.

Um determinado grau de certeza pode verdadeiramente fornecer um terno conforto, mas tudo é efémero – e o Homem que de vera sabedoria se dota entende isso mesmo. Como tal, desapega-se e toca a Eternidade. Porque experiênciar a Liberdade ou desejar estar (ou ser) livre não implica necessariamente tudo abandonarmos para constituirmos residência em um bosque ou caverna longínqua, adoptando um modo de vida introspectivo e de reclusão – exceptuando os casos em que intimamente sintamos tal apelo, pois nisso nosso maior guia – o coração – é soberano. A Liberdade faz-se antes sentir a partir do não domínio e da auto-preservação (tudo se cria e regenera por si só). Se vivermos e deixarmos viver, estaremos a despojarmo-nos de muito! E a ideia desta reflexão vai muito mais além da atitude indolente, leviana ou despreocupada que ela deixa transparecer… Pois todos puxamos para nós as responsabilidades que desejamos aceitar, sabendo de antemão que elas detêm uma tendência para nos aprisionar. Atravessamos problemáticas situações e demais complicações, mas ser livre representa precisamente o saber impedir que tal peso nos afecte, plenamente confiantes em nós e, não obstante, na roda que gera a Vida. E é nesse mesmo despojar que experimentamos uma das mais altas formas de transcendência aqui possíveis, neste plano onde a Alma ainda se encontra anexada a seu veículo, nossos corpos.

Escuta os teus apelos de coração e eles sintonizar-te-ão com a Energia Suprema – serão os ventos que bafejarão as velas de tua embarcação! Nada esperes, antes confia, encontrando as razões da tua própria crença; entende quem és e sê essa verdade, fluindo, certo de que tudo é mutável e passageiro, de que tudo se ergue e se replanta.


Pedro Belo Clara.





3 comentários:

  1. A Vida possui suas estações, em constante sucessão..
    Grato pela visita e leitura, Marisete.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Liberdade é algo muito relativo e pessoal para cada um. Desde a indepenência política de um país até o dicórcio de um casamento infeliz, por exemplo.

    João Marcelo

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.