terça-feira, 26 de outubro de 2010

São 17h e os sinos tocam (*)

São 17 horas
E os sinos tocam alto
Na torre da velha igreja.

Tocam e ecoam o seu toque
Por metros e metros
De prédios desalinhados
E jardins empobrecidos,
Competindo com a sinfonia
Dos carros desordenados que,
Desenfreados,
Passam na estrada.

Os mais idosos recolhem já
Ao seu confortável refúgio
E alguns reúnem-se
No café de sempre,
Onde outros tantos,
Alienados,
Existem por entre
Ninhos de cigarros
E incontáveis copos de vinho.

Pais e mães terminam
Mais um extenuante
Dia de labor,
E as crianças, tão precocemente
Carregando o seu futuro às costas,
Trilham as rotas da rotina.

E nada mais há a dizer
Sobre este mundo
Que se desenrola
À minha frente.

São 17 horas.
Bate-me à porta
Uma saudade antiga,
Incapaz de amenizar
O que sinto;

São 17 horas e percorro
Os caminhos da estagnação,
Observando o que lá respira e
Estranhas formas de vida
Que por lá se demoram.

São 17 horas
E mais um dia se cumpriu,
Mais um dia se desperdiçou.
Sem sentido, focado
Num objectivo falso
Estabelecido e atribuído
Por essas mãos controladoras
E manipuladoras
De vidas e de sonhos.

Pois, enquanto nos mantiverem
No limiar da cega ignorância,
Fechados num curral sem saída,
Conseguem fazer-nos esquecer,
Conseguem impedir-nos de crescer.

(30/03/2009).

 

(*)- Previamente publicado no "Jornal do CHACA", Edição de Maio de 2009.


 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.