quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Hoje e só hoje

Por hoje e só hoje,
Não irei correr atrás
Do rasto deixado pelo Mundo;

Por hoje e só hoje,
Irei deixar que os fugitivos
(que escapam de medo nenhum)
Me ultrapassem na estrada
Pela rotina alcatroada;

Por hoje e só hoje,
Irei largar a vontade inútil
De igualar o meu semelhante
Tão alienado e perdido;

Por hoje e só hoje,
Deixarei para mais tarde
Todas as obrigações impostas
Pelo cárcere imperial e soberano;

Por hoje e só hoje,
Irei deixar que todo o hoje
Seja irmão deste mesmo hoje,
O hoje em que me mascarei
E despercebido passei
Pelos frios sentinelas
Da mundana Matriz.

(Pedro Belo Clara – 17/07/2010).



Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.