segunda-feira, 11 de abril de 2016

MEDITAÇÕES XXXIII



Observa as manhãs de orvalho,
quando um sem fim de gotas
reluz sobre pétalas e folhas
recém-despertas.

Uma multidão aquosa,
onde nenhuma gota reflecte
um reflexo puramente igual:

por cada perspectiva,
uma cor do mundo emerge;
por cada voz alteando-se,
uma história de cristal se relata.

E são tantas sorrindo ao sol-criança,
tantas no perfeito abraço
ao ser-só que as faz ser o que são,
tantas sem pensamento de rio
ou desejo de vento brusco.

Observa as manhãs de orvalho.
Verás subitamente o brilho maior
que em nenhuma se nega:
a viva marca do oceano
que em segredo nelas vive.







(Fonte: www.goodwp.com)


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.