segunda-feira, 25 de maio de 2015

MEDITAÇÕES XV



Se a palavra for vera,
tanto quanto a palavra o puder ser,
não terá de se assumir verdadeira
para afirmar a verdade que contém.

Se o espírito estiver uno,
tanto quanto o espírito souber estar,
não terá de aclamar a unidade
para revelar a união que detém.

Se tudo permanecer o que é,
na vez do que aparenta
(oh, frutos de sonho e desejo...),
o silêncio será montra maior,
revelação derradeira,
vocábulo final.

A autêntica mudez
possui a vida dos pássaros
que altos voam.




PBC.






(www.photos-public-domain.com)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.